Arquivo da categoria: Mobilidade

Mobilidade e Flexibilidade: Você É Tão Forte Quanto Seu Elo Mais Fraco

Negligenciar um bom aquecimento para um WOD é o mesmo que se entregar à cova dos leões, ficando a deriva muscular e articular. Desta forma, como pode haver eficiência e ótimo aproveitamento das sessões de treinamento?

Assine nossa newsletter e saiba das novidades do Bars ‘N’ Rings

Confundir alongamento com aquecimento pode ser comum, mas não pode ser normal. Esta dúvida não pode durar, uma vez que exercícios de alongamentos devem ter propósito e para cada propósito uma maneira diferente para serem executados. E, definitivamente, exercícios de alongamento devem receber o mesmo cuidado e atenção que se dão aos WODs ou a qualquer sessão de qualquer método de condicionamento físico.

O mesmo se dá as mobilizações articulares, mobilidade é diferente de flexibilidade, os dois assuntos estão intrinsecamente ligados, porém os fatores e resultados fisiológicos de cada um devem ser medidos segundo os objetivos e necessidades de cada atleta e da especificidade de cada sessão de treinamento.

Uma pessoa que não tem mobilidade suficiente, não desenvolve bem a flexibilidade, tão pouco, força e suas vertentes.

Já mobilidade é um dos cinco elementos básicos que determinam o desempenho humano. Então para se chegar ao mais alto nível de condicionamento físico, não podemos esquecer-nos dos exercícios simples e eficientes de mobilidade articular. Seu conceito relaciona-se com liberdade de movimento. Pode consistir, como o próprio nome diz, em mover amplamente articulações desejadas, ou ainda as que serão mais usadas nos WODs.

Solturas ou movimentos rotacionais, de circundução, flexões e extensões leves executados até você atingir a sensação de calor na área e uma pequena fadiga dos músculos adjacentes a ela. Movimentos simples, sem força e tensões desnecessárias. Sua finalidade é diminuir a viscosidade das articulações, aumentar demanda de nutrientes para elas, juntamente com o sangue.

Já flexibilidade é a uma capacidade física treinável, é uma propriedade intrínseca dos tecidos moles que determinam a amplitude de movimento delas e dos músculos inseridos a elas. Existem diferentes métodos para se melhorar a flexibilidade, o mais importante é saber escolher qual o melhor para a especificidade da tarefa, no caso, nossos adoráveis WODs.

Foto: Tracy Apps

Quando perguntamos quais os objetivos de nossos alunos ao ingressarem em nosso Box, poucos ou quase nenhum deles querem ser mais flexíveis ou mais móveis, mas é importante desenvolver a consciência do tanto que estamos rígidos, sedentários e sem movimento que nos permite liberdade maior.

É necessário, portanto, recuperar mobilidade articular antes de se desenvolver outras capacidades físicas, assim como, darmos foco também, ao desenvolvimento da flexibilidade. “Mas não temos tempo para isso!” esta pode ser sua desculpa, mas negligenciar uma das 10 capacidades físicas prometidas pelo método CrossFit é o mesmo que formar um atleta forte, mas sempre com um elo fraco, pronto para ser rompido.

Obviamente é importante saber observar onde estão estas limitações, saber identificá-las ou ainda preocupar-se em buscar pelo problema pode ser a chave do sucesso nos treinamentos e do bom aproveitamento de cada praticante.

Atletas de diferentes níveis e de diferentes modalidades chegam todos os dias em nosso Studio de Pilates, o Quintal Pilates, com retrações que mudam posturas articulares e que limitam o movimento, desta forma, limitando o desenvolvimento de força e técnica.

A parceria com o método Pilates tem auxiliado muito estes atletas a desenvolverem mobilidade, flexibilidade e consciência corporal, fatores que os ajudaram a compreender e melhorarem as técnicas que mais lhes traziam transtornos e dificuldades, dores e possibilidades de lesões.

Pilates é um método de condicionamento físico, que promete entre outras coisas, melhora na flexibilidade e na mobilidade articular, além de desenvolver junto aos alunos, consciência de suas limitações e possibilidade de movimento. O método permite identificarmos retrações, frouxidões e desta forma, conseguimos orientar pontualmente que tipo de exercício em nosso Studio eles devem executar.

Temos alguns alunos que tem dificuldade em segurar a barra sobre os ombros quando vão fazer um front squat ou um thruster alegando pouca mobilidade nos ombros. Estes atletas, antes de cada WOD moviam loucamente os ombros, repetiam exercícios retirados da internet, com elásticos e afins. Ao avaliá-los verificamos que as retrações não estavam propriamente nos ombros, mas em grupos musculares posteriores (que ficam nas costas) que também, se retraídos, limitam o movimento dos ombros. Ainda vimos em queixas semelhantes, limitações no antebraço e não no braço.

Pilates oferece movimentos funcionais e multiarticulares em sua maioria e que trabalham o corpo globalmente e dinamicamente. Flexibilidade, mobilidade, estabilização de articulações, força de tronco e controle de movimento são componentes treinados fundamentalmente pelo método.


No vídeo, um exemplo de exercício que com o auxílio da barra, procura melhorar, mobilidade e flexibilidade de ombros, tronco e quadris. Neste caso, nosso atleta, Emerson, tinha várias retrações e dores no ombro, os quadris eram rodados para fora, ele é corredor e biker e faz Crossfit conosco há 7 meses e recorreu ao Pilates para melhorar estas limitações reconhecidas por ele e por nós, seus professores. Este atleta melhorou muito seus movimentos de levantamentos e seus agachamentos.

Este é apenas um exemplo, podemos usar inúmeros acessórios para mobilizar e flexibilizar, inclusive os que estão dentro do Box.

Portanto, é imprescindível valorizarmos de modo eficiente e consciente, a flexibilidade, uma capacidade física que muito é relegada a apenas alguns minutinhos pré-treino, ou ainda como uma forma de terminarmos uma sessão de treino intensa, isso quando o atleta tem tempo e disposição para fazer algo nesses períodos. Será que é mesmo benéfico ficarmos nos estirando logo após um WOD? Será que estamos fazendo o melhor nesse aspecto? Certamente poderemos fazer mais, principalmente quando aceitarmos que a flexibilidade é uma capacidade física treinável e é um elo poderoso que se encontra entre um atleta forte e um atleta que parece ser forte.

Abraços fortes
Profa. Esp. Jamille Farath
CrossFit Mogi Das Cruzes e Quintal Pilates

Se ficou alguma dúvida ou tem sugestão escreva para nós nos comentários e não esqueça de curtir nossa fan page no Facebook.
facebook_like_button

Anúncios