Relação Entre Mobilidade e Estabilização Articular Durante o Processo de Treinamento

Um programa de treinamento bem sucedido deve priorizar o equilíbrio entre as funções articulares a fim de objetivar a aprendizagem, aperfeiçoamento e treinamento do movimentos com segurança.
Assine nossa newsletter e saiba das novidades do Bars ‘N’ Rings

A evolução técnica e física está relacionada com a capacidade de mover e estabilizar simultaneamente as diferentes articulações nas distintas fases dos movimentos. Cada segmento articular apresenta uma contribuição específica dentro do sistema locomotor, exemplificando, em um back squat é necessário apresentar mobilidade de tornozelos, estabilidade de joelhos, mobilidade de quadril, estabilidade da região lombar, mobilidade na região torácica e estabilidade na região das escápulas.

A diminuição ou perda da funcionalidade articular está relacionada à dificuldade de aprendizagem, redução na evolução, desempenho físico abaixo do potencial e sobretudo compensações e desequilíbrios músculo-esqueléticos que convergem para lesões.

As articulações intercalam em suas funções, segue abaixo as prioridades:

Tornozelo: mobilidade
Joelho: estabilidade
Quadril: mobilidade
Coluna lombar: estabilidade
Coluna torácica: mobilidade
Escápulo-torácica: estabilidade
Gleno-umeral (ombro): mobilidade

Exercícios não devem ser dolorosos. Qualquer sinal de dor pode indicar falta de mobilidade ou estabilidade em uma articulação. Foto: Artic Warrior
Exercícios não devem ser dolorosos. Qualquer sinal de dor pode indicar falta de mobilidade ou estabilidade em uma articulação. Foto: Artic Warrior

A relação deve ser feita observando as articulações imediatamente acima e abaixo da região em questão, isto é, se for detectado algum padrão equivocado nos joelhos, a análise ocorrerá no tornozelo e quadril. Para favorecer a compreensão, um caso típico é a projeção dos joelhos para dentro durante o squat, provavelmente a origem desse padrão de movimento está associada à questões correspondentes à deficiência de mobilidade no tornozelo, quadril ou ambos, ao mesmo tempo a ativação das musculaturas na região do quadril e lombar devem serem investigadas.

Esse modelo específico das funções de cada região segue para todas as articulações. Nos momentos em que as articulações de mobilidade perdem sua característica, a próxima articulação estabilizadora será acionada a produzir uma mobilidade compensatória, diminuindo a estabilidade provocando situação favorável à lesão. Já as articulações de estabilidade tem por função promover  uma situação segura para produção de força e potência, bem como permitir o correto deslocamento dos seguimentos corporais preservando os tecidos cartilaginosos, ligamentares e tendinosos. Em caso de redução da função da articulação estabilizadora o resultado será um comprometimento dos tecidos moles (cartilagem, ligamento, tendão, inflamação muscular).

A visão integrada facilita o entendimento da atribuição de cada articulação, isso significa que ao presenciar incômodos nos ombros, a questão deve ser aprofundada nas articulações próximas, ou seja, a origem da dor não está exatamente no ombro e sim na falta de mobilidade das vértebras torácica ou diminuição da ativação das musculaturas estabilizadoras da escápula.

A análise das disfunções necessita ser elaborada individualmente, contudo de forma genérica temos:

Diminuição de mobilidade do tornozelo: relação com dores no joelho.

Diminuição de mobilidade do quadril: relação com dores no joelho e ou  região lombar.

Diminuição de mobilidade das vértebras torácicas: relação com dores no ombro, região cervical e lombar.

O equilíbrio às funções das diversas articulações deve estar presente na programação diária, seja para manutenção ou aquisição dos parâmetros seguros. Uma abordagem interessante é definir os pontos a serem enfatizados e distribui-los durante a semana, entretanto os dois de maior desequilíbrio merecerão grande atenção, por maior quantidade de vezes. As articulações responsáveis por mobilidade são prioridades, porém as de estabilidade não podem ser deixadas de serem trabalhadas, pois a integração do sistema está relacionada com a simetria articular, esta por sua vez, facilita o aprendizado e aumenta o desempenho.

Para continuar acompanhando as postagens curta a nossa página no Facebook.
facebook_like_button

Anúncios

2 comentários em “Relação Entre Mobilidade e Estabilização Articular Durante o Processo de Treinamento”

  1. Otimas observações!! Muito bom mesmo, porém atletas e até mesmo coachs muitas veze não sabem quais exercicios de mobilidade e estabilidade se deve fazer para cada tipo de articulação/região. Se pudessem linkar algum artigo ou ate mesmo opiniões/experiências proprias sobre movimentos seria de grande utilidade. :) Abrasssss

Faça um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s